Quatro razões para NÃO utilizar o Linux
3 de fevereiro de 2014 | Autor:

O autor deste artigo, publicado no sítio CanalTech, deve ser empregado ou comissionado da Micro$oft para escrever, com tamanha paixão pelo M$-rWindows e ódio pelo Linux, as asneiras que colocou no ar.

Digo empregado ou comissionado da Micro$oft porque o tom do artigo cheira a desespero, começando pelo “NÃO” em caixa alta no título do artigo e pela argumentação pobre apresentada, dá para ver que ele não sabe nada sobre o que está escrevendo, senão vejamos:

  1. primeiro e mais importante: o Linux não é concorrente do M$-rWindows e nem do MacOSX. Linux é alternativa. Usa Linux quem quer. Ninguém é obrigado a usar Linux, bem como não tem ninguém fazendo propaganda do Linux.
  2. Como alternativa, a comunidade de desenvolvedores não tem nenhuma obrigação de portar drivers de dispositivo para “gammers” (jogadores) ou criar programas para concorrer com o M$-rWindows. A comunidade Linux tem por compromisso entregar aos usuários um sistema estável e seguro e não bonitinho e instável. Em uma coisa o autor tem razão: Linux não é para qualquer um, pois estabilidade e segurança não combinam com facilidade de uso. Linux só está indicado para quem entende de microinformática e/ou tem familiaridade com sistemas UNIX-like, e jogadores ou usuários que só querem se divertir geralmente não entendem nada de microcomputador. Sabem mal e porcamente apertar o botão “on”, arrastar um mouse ou tocar em uma tela de toque.
  3. Linux e MacOS tem um ancestral comum. O Linux é filho do MINIX e neto do UNIX, enquanto o MacOS foi desenvolvido a partir do NextOS, que é filho do FreeBSD, irmão gêmeo do UNIX. O IOS é bisneto do FreeBSD.
  4. O Linux é tão ruim que a interface aero dos rWindows Vista e Windows 7 foi plagiada da interface Crystal, que apareceu no KDE 3.0, lá no início dos anos 2000. Lembram-se do aero? No rWindows Vista foi o grande causador do desastre no qual a versão se transformou. A Micro$oft não foi competente nem para adaptar a ideia dos membros da comunidade Open Source.
  5. Linux é tão ruim que a maioria esmagadora dos servidores web e corporativos ao redor do mundo rodam uma distrô Linux, geralmente o Debian. O autor do artigo que aponte uma maneira de construir um servidor estável, rápido, seguro e, acima de tudo BARATO, usando o Windows. O meu servidor roda Debian há mais de nove anos e nunca tive problema. Meus gastos com ele concentram-se unicamente em discos rígidos (atualmente andam péssimos. Não aguentam um ano de uso contínuo) e energia elétrica.
  6. Se o Linux fosse a droga que o autor descreveu, por que o Google desenvolveu o Android sobre um kernel Linux? Por que o Google não fez um acordo com a Micro$oft e licenciou o incompetente, horrível e instável M$-rWindows Phone, se o objetivo era apenas concorrer com o IOS? O FirefoxOS que equipa celulares de baixo custo também usa o kernel Linux, bem como o Tizen (da Samsung), o Meego (que era da Nokia e foi comprado pela Intel), e muitos outros.
  7. Qual o interesse da Micro$oft neste artigo? A gigante de Redmond está perdendo terreno tanto para o Android, quanto para o MacOS e ela tem que atirar para algum lado e o alvo escolhido foi o Linux, que está por trás do Android e reina absoluto nos servidores de rede.

Embora eu use Linux e confie nele quase cegamente, eu não sou um fanático como o autor do artigo, muito menos estou ganhando qualquer coisa da comunidade Linux para escrever esta resposta. Eu também uso Windows. Tenho um PC com Windows 8.1 Pro 64bits e um híbrido LG H160 também com Windows 8.1, mas utilizo o meu servidor, que tem instalado uma interface gráfica bem leve (XFCE4), para praticamente tudo o que demanda segurança na rede, como por exemplo ler emails, fazer transações bancárias, fazer compras na Internet e manter este domínio no ar, enquanto as máquinas com Windows eu uso apenas para ver vídeos, para alguns joguinhos bem básicos, ouvir música e fazer algumas poucas coisas fora de casa e para as quais não é possível carregar meu servidor.

Comecei no mundo da informática lá no M$-DOS, no tempo em que o Windows era apenas um ambiente gráfico que a Micro$oft licenciou da Apple (ninguém, até hoje, entendeu como e por que Steve Jobs fez esta tremenda burrada) e que se chamava Interface MacGUI, e não um sistema operacional. De lá para cá, já comprei quase todas as versões do Windows. Do Windows 3.1 até o Windows 8.1, eu só não usei o Windows Vista (cego). Dizer que não usei o Windows Vista é mentira. Comprei um notebook da Toshiba, um Infinity que veio com ele, mas fiz downgrade para o Windows XP Home que, cá entre nós, foi o melhor Windows lançado até agora. No meu servidor tenho um Oracle Virtualbox instalado e nele roda uma máquina virtual com Windows XP Pro, para compactar/descompactar arquivos cujos programas não existem para Linux.

Categoria: Notícias