Será que o homem pisou mesmo na lua?

Leiam neste artigo, as contradições que colocam em dúvida os voos tripulados à lua. Os principais pontos contraditórios estão destacados em amarelo no texto.

Em uma época de guerra fria, valia qualquer coisa para tripudiar sobre seu adversário, no caso, a extinta URSS – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (СССР – Союз Советских Социалистических Республик, no idioma russo).

As dúvidas expostas no texto desacreditam totalmente a história do voo à lua, pois se já estiveram lá, como a NASA não sabe o comportamento do solo lunar, particularmente da poeira e da areia da lua?

Deem uma olhada no vídeo abaixo. Está em um site russo de streaming (Smotri.ru). Não sei se é legítimo, mas parece. Se não for autêntico, pelo menos é engraçado.

 

A defesa da NASA:

Get the Flash Player to see this content.

1. Os atores (apresentadores) usam um tom de deboche ao tratar dos fatos que envolvem a suposta fraude, algo incompatível com a prática científica e investigativa. Essa postura já sugere e presume a atitude tendenciosa desses indivíduos.

2. O experimento da maquete com uma fonte de luz. Todo mundo sabe que refletores de estúdios são projetados para espalhar luz para todos os lados, em todas as direções e, por isso, conseguiram as sombras que partem em várias direções, provando, mais uma vez, e sem ter que ir até a lua, que as fotografias da suposta missão Apollo foram tiradas em um estúdio. Os argumentos usados como justificativa para as distorções nas sombras não convencem, pois tirei as duas fotografias abaixo em uma rua de relevo acidentado – Rua Antônio Simn, no bairro do Tarumã, em Curitiba – com o sol nas minhas costas e em ambas pode notar-se claramente que todas as sombras projetam-se na mesma direção, paralelamente.

Reparem como ambas as sombras estão paralelas

 

Todas as sombras das árvores estão rigorosamente paralelas entre si e perpendiculares à câmera fotográfica.

Outro detalhe que chama a atenção na fotografia que os caçadores de mito mostram e atribuem a Nasa é uma espécie de brilho acima do ” módulo lunar ” que subentende-se ser o brilho do sol que, consequentemente, faria a sombra do módulo projetar-se no mesmo sentido das sombras das pedras, evidenciando a existência de mais de uma fonte luminosa ou… O uso de um refletor, como os caçadores de mito fizeram no experimento.

Se o leitor observar cuidadosamente a fotografia acima, perceberá que tanto as pedras que projetam sombra, quanto o módulo lunar, estão no mesmo plano e não em planos diferentes, o que invalida a afirmação e o próprio experimento.

Observem nesta fotografia que nem os raios de luz refletidos na lente da câmera são paralelos:

Clique para ampliar

Dizem os caçadores de mito que “o mito foi totalmente detonado, que é possível criar sombras não paralelas com uma única fonte de luz”, quando na verdade o que fizeram foi um grande embuste.

3. Imagens nas sombras, a teoria da conspiração atesta que não é possível a formação de penumbra na lua por não haver atmosfera e, como não existe atmosfera, não há umidade no ar, sendo que as partículas de água em suspensão na atmosfera é que formam as penumbras. O detalhe mais interessante da fotografia dos caçadores de mitos: tiraram-na em um estúdio aqui na terra, com UMIDADE e ATMOSFERA!

Clique para ampliar

Observe como a imagem do astronauta está bem iluminada dentro da sombra negra do módulo lunar. Isso não poderia acontecer se houvesse reflexão da luz do sol pela areia do solo lunar. A sombra do módulo lunar não seria tão negra, se a explicação dos caçadores de mito fosse verdadeira.

4. O teste da pegada. Primeiramente eles mesmos demonstraram que a pegada na areia molhada é mais nítida que na areia seca e depois tentam provar que é possível fazer uma pregada nítida no vácuo mas, prestando-se atenção um pequeno detalhe, descobre-se o fenômeno por trás do ato: o material usado, um substituto do rególito lunar fornecido pela Nasa, foi colocado na bandeja fora da câmara de vácuo, em presença de umidade, esta entrando na câmara de vácuo a adsorvida nas partículas do material.

5. Em um determinado ponto do filme, os apresentadores dizem que a Nasa é como eles, que recicla tudo, tentando, sutilmente, justificar a desculpa esfarrapada que a Nasa deu, no dia 16 de julho de 2009, para explicar que os filmes das missões Apollo estavam perdidos para sempre porque foram apagados e reutilizados com finalidade econômica. Ora, pois! Uma pessoa ou empresa que tem documentos, fotografias ou filmes autênticos que comprovam seu maior feito, descoberta ou conquista, faz milhares de cópias autênticas e guarda os originais a sete chaves, e bem embaixo de seu nariz.

6. Além das ponderações acima, existe também a contradição encontrada neste artigo da NASA, no qual a agência espacial norte-americana relata a descoberta de moléculas de água na superfície lunar, mas de acordo com a história  da conquista da lua, contada exaustivas vezes, as missões Apolo trouxeram cerca de trezentos quilos de materiais recolhidos do solo lunar, entre rochas e areia e naquela época, final da década de 60, já existiam todos os equipamentos e métodos de pesquisa e identificação de compostos químicos existentes hoje, sendo os equipamentos utilizados pelas sondas citadas na matéria, meros aperfeiçoamentos daqueles usados naquele tempo e por isso, como não descobriram antes que existiam moléculas de água no material que, supostamente, trouxeram da lua? Parece que esta “descoberta” veio à tona apenas para tentar dar autenticidade à história do pouso na lua, especialmente no argumento usado pelos investigadores acerca da formação de penumbra, que não é possível na ausência de umidade. Anunciando esta “descoberta”, a NASA poderá dizer que esteve na lua e que os argumentos dos cientistas são válidos e por isso é possível ver sombras e penumbras na superfície lunar, pois lá tem umidade. Será que tem mesmo? Em 1969 e nos anos seguintes não encontraram as moléculas que agora anunciaram, mesmo tendo a mesma tecnologia e os mesmos métodos analíticos usados hoje.

7. No dia 21 de julho de 2009 a NASA divulgou estas fotografias supostamente tiradas pelo Lunar Reconnaissance Orbiter, ou LRO que, segundo ela, mostram os locais e os equipamentos deixados pelas missões no solo lunar… Mas é possível enxergar alguma coisa nítida e que comprove realmente o pouso na lua? É possível acreditar que estas imagens sejam realmente verdadeiras?

no images were found

no images were found

 

Vejam a fotografia de um dos módulos lunares:

Clique para ampliar

Aproximando-se a imagem:

Clique para ampliar

Feito de papelão e papel celofane. Alguém acredita que isso voa?

8. No dia 13 de novembro de 2009, apareceu no domínio da BBC Brasil, um artigo ou notícia mostrando fotografias da superfície do planeta marte, cuja matéria e imagens foram veiculadas pela NASA com uma ênfase que coloca sob suspeição a existência das sondas Mars Pathfinder e Pionner, que, segundo a própria NASA, aterrissaram na superfície do planeta, caminharam, fotografaram, recolheram amostras, analisaram-nas e enviaram imagens e resultados de análise à terra. Será? Não será esta mais uma contradição da NASA e mais um indício de fraude nos programas espaciais norte-americanos? Leia a notícia aqui e tire suas conclusões.

E então? Você ainda acredita que o homem pisou na lua? Se você ainda não está convencido da farsa, clique aqui e veja o documentário da Fox que coloca em xeque toda a história do voo lunar, e ainda, clique aqui e  leia os argumentos do André Basílio, publicados neste domínio, destinado a desmascarar o que ele chama de A Fraude do Século. Leia aqui um comentário russo sobre a “conquista” (em russo).

Leia também:

 

[Voltar]

Categoria: Notícias